Redes Sociais

domingo, 22 de novembro de 2015

Continua desabando

Por Marcelo Villela, novembro 19th, 2015,















Os preços do minério de ferro no mercado à vista da China recuaram novamente nesta quinta-feira, aproximando-se da menor cotação já registrada, puxados por uma queda nos preços do aço em meio aos crescentes temores de demanda fraca.

O minério acumula perdas de cerca de 36 por cento no ano. ”Está difícil de vender atualmente”, disse um comerciante de minério de ferro em Xangai. ”Nós vemos os preços físicos caindo e transações são feitas em preços inesperadamente baixos, levando investidores a tomar mais posições vendidas no mercado futuro de minério de ferro”, complementou.

O minério com 62 por cento de teor de ferro entregue no porto de Tianjin na China .IO62-CNI=SI caiu 1,5 por cento, para 45,10 dólares por tonelada. É a cotação mais baixa para o minério desde o início de julho, quando a matéria-prima do aço tocou 44,10 dólares, menor nível já registrado pelo The Steel Index, em série histórica iniciada em 2008.

O vergalhão de aço tem tocado sucessivas mínimas históricas nos últimos meses em meio à uma fraca demanda, em um momento de altos estoques, cortes de produção e fechamento de siderúrgicas.

O contrato mais negociado do vergalhão na bolsa de Xangai fechou em queda de 2 por cento a 1.705 iuanes por tonelada, depois de tocar mínima de 1.692 iuanes, menor nível do contrato mais ativo desde que o contrato foi lançado em 2009.
Fonte: Reuters


sábado, 14 de novembro de 2015

Ainda ladeira abaixo

Minério de ferro caminha para pior mês desde março





Minério de ferro caminha para pior mês desde março

Os preços do minério de ferro rumam a terceira semana consecutiva em baixa, registrando nova queda mensal, enquanto o desequilíbrio entre oferta e demanda permanece. A commodity está cotada abaixo de US$ 50 a tonelada e já perdeu 12% em outubro, que pode ser o pior mês desde março.









“Nós podemos ver o minério de ferro caindo para entre US$ 40 e US$ 45 a tonelada. É esperado que as siderúrgicas cortem a produção. Uma vez que isso acontecer, o efeito da demanda em enfraquecimento será sentido de forma mais forte no minério de ferro”, disse hoje (30) Dang Man, analista do Maike Futures, de Xangai. Neste ano, a commodity desvalorizou 30%.

O minério de ferro, nesta semana, quebrou a faixa de negociação de US$ 10 que mantinha desde julho, sendo cotado entre US$ 50 e US$ 60 a tonelada, com a alta na produção de Vale, Rio Tinto e BHP Billiton e a redução do consumo na China. O Capital Economics e Clarkson Capital Markets preveem uma cotação média de US$ 47 a tonelada para o minério no quarto trimestre.

Nesta sexta-feira, o minério de ferro com 62% Fe para entrega no porto de Qingdao, na China, na modalidade custo e frete (CFR), ganhou 18 centavos de dólar e subiu para US$ 49,83, segundo índice do Metal Bulletin. Ao mesmo tempo, os estoques nos portos chineses atingiram os níveis mais altos desde maio.

O analista Tom Price, do Morgan Stanley, disse, hoje, que um mercado siderúrgico mais fraco e o excesso de oferta do minério diminuíram os interesses de compra nesta semana. Os preços estão sob pressão, à medida que as siderúrgicas tendem a cortar a produção antes da chegada do inverno do hemisfério norte, diminuindo a demanda, afirmou Price.

“A expansão da oferta dos principais produtores continua um fator de longo prazo, eles ainda estão aumentando a produção, e a demanda está pobre. Da perspectiva de embarques e estoques, dificilmente haverá uma ajuda para os preços”, disse Dang. As informações são da Bloomberg.